Carta aberta ao cara que achava que eu era apenas uma garrafa d'água na geladeira dele

segunda-feira, dezembro 02, 2013

Sabe, uma das piores coisas da vida é se sentir acuada, se sentir "presa" perto de alguém. Odeio ter que medir meus atos e palavras, odeio ficar me prendendo, odeio ficar na neura se devo ou não falar/fazer algo. E acabava por muitas vezes não falando nada, não fazendo nada. Acabava não sendo eu. 
Acho que você nunca me conheceu e nem nunca vai me conhecer de verdade, a pessoa que realmente sou em essência, sem todas aquelas máscaras e travas que sempre usei na sua frente. Pois uma das primeiras coisas que você me disse foi "eu sou do tipo que julga muito as pessoas, o tempo todo". E como no momento em que estávamos saindo juntos tudo o que eu menos precisava era alguém me julgando, montei todas essas defesas, me tornando até uma pessoa extremamente envergonhada e retraída, algo que nunca fui. E você não faz ideia do quanto isso é desgastante, mentalmente, principalmente. 
E era uma droga me sentir uma garrafa d'água na sua geladeira, em que quando você tinha sede, sabia exatamente ir lá pegar a garrafa, beber e guardar depois no mesmo lugar. E esquecia que ela estava lá enquanto você não sentisse sede de novo. 
Eu sou muito mais do que isso, eu mereço muito mais do que isso.
Sempre soube que o que quer que fosse que rolava entre nós dois, não ia dar em nada. Sempre soube que não era a única. Sempre soube que todas as vezes que te chamei pra sair e você disse que não podia, eram apenas desculpas esfarrapadas. E sempre soube também que, muito provavelmente, você não queria que seus amigos soubessem que você estava com alguém como eu. Porque eu sou aquela pessoa com cabelo colorido e piercings, que usa roupas diferentes, que ama coisas mórbidas e chama atenção mesmo sem querer. E também sei que isso era tudo que você não queria, porque você "não gosta de gente aparecida", você me disse isso também.
Mas eu sabia, acima de tudo, que eu não aguentava mais me sentir "presa" dessa forma como me sentia com você. Foi bom ter posto um ponto final definitivo nisso tudo, nada nisso me fazia bem. Entenda, gostava de você e da sua companhia, talvez não da forma como você acha que eu gostava ou que eu talvez tenha dado a entender. Você era legal, me fazia rir e algumas (poucas) vezes me fazia sentir bem.
É provável que fossemos melhores sendo apenas amigos, mas acho que isso é uma coisa que nós nunca seremos também. Sei que muito provavelmente isso não faça a menor diferença na sua vida, mas eu precisava pôr pra fora esses sentimentos acumulados por todos esses meses. 
Não te odeio ou te desejo mal, apenas desejo que tenha uma boa vida. Mesmo que esta seja longe de mim.

You Might Also Like

3 comentários

  1. Me identifiquei loucamente com esse texto. As vezes me odiava por ficar perto de pessoas que me faziam sentir exatamente assim, me odiava por não conseguir me afastar e colocar um basta na situação. E nossa quando isso acabou e eu pude ser quem sou, que sensação de alívio. É horrível ter que se medir pela medidas do outro. Ainda bem que já passou. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei porque não foi como resposta a você meu comentário abaixo, mas enfim... é pra você. hahaha

      Excluir
  2. É horrível mesmo, mas a sensação de se livrar de uma vez por todas, é libertadora! Ainda bem mesmo! o/

    ResponderExcluir

Curta Luddzilla no Facebook

Me add no Google+